Seja bem vindo ao Celeiro do Norte, Sinop/MT, 15/12/2018
08 de Agosto de 2018 - 09:56
ECONOMIA
Agronegócio: Tabelamento do frete afeta planejamento e financiamento da próxima safra

Representantes de bancos e da B3 participaram do 17º Congresso Brasileiro do Agronegócio, realizado na última segunda-feira (6/8), em São Paulo, e apontaram os impactos do tabelamento do frete sobre o setor. Para Carlos Aguiar Neto, diretor de agronegócios do Santander, a greve dos caminhoneiros e a instituição da tabela do frete criaram um problema de risco de preços, e não de financiamento. "O frete faz parte da composição da cotação das commodities, e o agricultor não está conseguindo escoar a sua produção. O banco portanto, alonga os prazos de empréstimos até que a questão do transporte se normalize."


O superintendente de agronegócio do Bradesco, Rui Pereira Rosa, destaca que o tabelamento do frete impulsionou o setor a investir em sua frota própria. "O produtor passou a pensar em ter caminhão próprio, e esse investimento concorre com outros em maquinário." Rosa ainda acredita que, a incerteza sobre o frete afeta o planejamento da safra 2018/2019 em termos da precificação dos produtos colhidos. Já Tarcísio Hübner, vice-presidente de agronegócios do Banco do Brasil, enfatiza que a tabela do frete afeta a cadeia do agronegócio como um todo e isso deve incentivar os produtores a buscar crédito rural nas instituições financeiras. "Não teremos falta de recursos. O banco vai atender à demanda que pode advir da ausência de negociação futura."


Investimentos


Para Fábio Zenaro, diretor de produtos balcão, commodities e novos negócios da B3, o contexto macroeconômico exige buscar recursos na iniciativa privada e repensar os modelos de financiamento do agronegócio. "Uma maneira eficiente das empresas captarem recursos é no mercado de capitais, onde o Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) tem crescido. Com um volume de R$30 bilhões, há demanda e oferta e reforça a importância da diferenciação de fontes de financiamento", diz. Segundo ele, o termo crédito rural está em desuso e hoje é mais usual chamá-lo de capital de giro ou investimento para o setor do agronegócio, que reúne vários investimentos.


O diretor da B3 ainda ressalta que o Brasil precisa implementar um modelo semelhante ao do mercado internacional e que a alocação de recursos seja oportuna e segura. "O sistema financeiro precisa melhorar a segurança jurídica no que diz respeito a ajustes e regulamentações. Entendo que subsídios devem existir, mas para locais específicos", afirma Zenaro. Zenaro aponta que o investidor final acaba colaborando indiretamente em destinar recursos. "Títulos como CRA e Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são um estímulo para o investidor final, que tem interesse nesses recursos e colabora indiretamente para expandir o setor agrícola", explica o diretor da B3.


O vice-presidente de agronegócios do Banco do Brasil também enfatiza a importância do investidor estrangeiro. "Estamos preparando para a virada de investimentos e infraestrutura. Devemos buscar recursos em fontes externas e precisamos estar com as portas abertas para investidores que queiram olhar para o nosso país", diz Tarcísio Hübner. E o diretor da B3 completa: "O investidor estrangeiro é importante na liquidez de diversos mercados. Agora precisamos entender como ele pode desempenhar um papel mais ativo também no agronegócio."

Mais notícias

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player