Seja bem vindo ao Celeiro do Norte, Sinop/MT, 22/10/2019
26 de Junho de 2019 - 10:12
COOPERAÇÃO
Mato Grosso receberá comitiva da Bolívia para tratar do fornecimento de gás natural

O governo de Mato Grosso receberá nesta quinta-feira (27.06) uma comitiva do governo boliviano para dar continuidade às tratativas de fornecimento de gás natural para o estado. Farão parte da visita o Ministro de Hidrocarburos, Luis Alberto Sánchez Fernández, e o presidente da estatal boliviana Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB), Oscar Barriga Arteaga. O trabalho de articulação teve início em março deste ano, após uma reunião no Rio de Janeiro, em que o governado Mauro Mendes requereu da Petrobrás a liberação para comprar o gás natural diretamente da Bolívia.


Já no mês de maio, uma comitiva liderada pelo governador se reuniu com o presidente da Bolívia, Evo Morales, para dar oficialmente início às tratativas, incluindo a importação de ureia, fertilizante utilizado nas plantações. Na ocasião, foi assinado um Memorando de Entendimento para consolidar o compromisso de cooperação energética entre os países. Conforme o presidente da Companhia Matogrossense de Gás (MT GÁS), Rafael Reis, os representantes trarão a resposta oficial sobre a disponibilidade de fornecimento de gás para o Estado. “Estamos construindo um contrato firme de dez anos, que cria a segurança jurídica para voltarmos a ter credibilidade para a cadeia do gás natural de Mato Grosso. A intenção é que as empresas enxerguem a região como um local para investir”, explica.


O Estado já oficializou o pedido de fornecimento de 2,5 milhões de m³ ao dia à empresa YPFB em um contrato contínuo, ou seja, a empresa deve entregar sem interrupções a quantia de gás contratada. Durante 15 anos de existência da Companhia, Mato Grosso nunca teve um contrato em que fosse garantida a entrega do gás. O contrato vigente é o chamado interruptivo, em que a empresa não tem a obrigação de entregar todo o gás pactuado. Além disso, o atual montante contratado é de 1,5 milhões de m³ ao mês, muito abaixo da demanda estimada, e ele não é feito diretamente com o governo boliviano.

Mais notícias

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player