Seja bem vindo ao Celeiro do Norte, Sinop/MT, 28/01/2020
09 de Janeiro de 2020 - 13:43
AGRICULTURA
Conab espera recorde de 248 milhões de toneladas de grãos na safra 19/20

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) voltou a elevar sua estimativa para a produção de grãos 2019/2020 e espera um recorde de 248,006 milhões de toneladas. O número está no 4º Levantamento de Safra referente à temporada atual, divulgado na quarta-feira (8/1), em Brasília (DF). Se confirmada, será um crescimento de 2,5% em relação ao ciclo 2018/2019 (241,949 milhões de toneladas). O número anterior, divulgado em dezembro de 2019, era de 246,6 milhões de toneladas. “As condições climáticas, que apresentaram certa instabilidade no início do plantio de verão na maioria das regiões produtoras, tomaram agora um novo ritmo de normalização. A perspectiva é que os níveis de produtividade apresentem bom desempenho”, diz a Conab, em nota. A área plantada deve chegar a 64,176 milhões de hectares com grãos no país.


Os técnicos revisaram para cima o número para safra de soja, que passou de 121,091 milhões para 122,225 milhões, 6,3% a mais que no ciclo passado. Um número que, aliado à redução da safra dos Estados Unidos, em função de condições climáticas desfavoráveis, coloca o Brasil na liderança mundial na produção do grão. “A semeadura iniciou de maneira desuniforme em diversos estados produtores devido ao atraso das chuvas, mas, por ora, se encontra dentro da normalidade quando comparada às outras safras”, informa a Companhia, na versão resumida do relatório. A estimativa para o milho passou de 98,409 milhões para 98,710 milhões de toneladas, somando os três ciclos anuais, como a Conab passou a contabilizar a partir desta safra. Ainda assim, é uma redução de 1,3% em comparação com a temporada 2018/2019, que teve a colheita estimada em 100,042 milhões de toneladas pela Companhia.


Na safra 2019/2020, o ciclo de verão deve render 26,617 milhões de toneladas. A segunda safra deve ser de 70,936 milhões e a terceira, de 1,156 milhão de toneladas. De acordo com os técnicos, o crescimento no primeiro ciclo está condicionado à melhoria dos preços. Mas ainda há uma incerteza em relação à área no segundo ciclo. “O atraso no plantio da soja em todo o país, principal liberador de área para o plantio da segunda safra do cereal, criou uma expectativa de risco por conta do ciclo da soja, que poderá ter sua evolução avançando sobre fevereiro e encurtar a janela de plantio favorável ao milho de segunda safra”, avaliam. A Conab também elevou sua estimativa para o algodão, cuja produção deve ser 1,1% superior que a da safra 2018/2019, por conta, principalmente do plantio maior em Mato Grosso e Bahia, os dois maiores produtores nacionais. Na avaliação dos técnicos, a produção de algodão em caroço deve totalizar 4,130 milhões de toneladas (4,087 milhões na safra passada) e a de pluma, 2,755 milhões (2,725 milhões na safra passada).


Outra cultura que passou por revisão para cima foi o arroz. Na avaliação da Companhia, a colheita deve ser de 10,563 milhões de toneladas, 1% a mais que na temporada passada (10,454 milhões de toneladas), considerando as lavouras irrigadas e de sequeiro. A estimativa anterior, divulgada em dezembro, era de 10,516 milhões de toneladas. “Apesar da redução da área nos últimos anos, a maior proporção de áreas irrigadas, que possuem uma maior produtividade, e o investimento do rizicultor em tecnologias, que proporcionam um maior rendimento da área, vêm permitindo a manutenção da produção ajustada ao consumo nacional”, informa o relatório, em sua versão resumida. Já para a produção de feijão, a Conab manteve a estimativa em 3,022 milhões de toneladas, somando os três ciclos anuais das variedades cores, caupi e preto, estabilidade em relação também à temporada passada. A primeira safra deve ser de 1,039 milhão de toneladas, a segunda deve chegar a 1,250 milhão e a terceira a 733,8 mil toneladas.


Culturas de inverno


Entre as culturas de inverno, a Companhia Nacional de Abastecimento reduziu a estimativa, de 6,690 milhões de toneladas em dezembro para 6,566 milhões no relatório referente a janeiro. Na principal delas culturas, a do trigo, os técnicos avaliam que a colheita deste ano possa chegar a 5,154 milhões de toneladas.

Mais notícias

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player