Seja bem vindo ao Celeiro do Norte, Sinop/MT, 03/06/2020
2013-01-30 de 06 de
Crédito próprio



Estão estagnados há quase dois anos no Brasil, a despeito dos esforços do governo, os empréstimos a pessoas físicas direcionados para o consumo. Responsável por boa parte do crescimento da economia durante o segundo mandato de Lula, a modalidade dá sinais de esgotamento.


De um lado, o comprometimento da renda com o pagamento de juros e amortizações atingiu níveis elevados. De outro, o volume dos empréstimos se aproxima de 15% do PIB, não muito distante da média internacional. São dois sinais de que não há mais espaço para manter a expansão do crédito no país sobre essas bases.


Existe, contudo, um segmento pouco explorado: o financiamento imobiliário. Apesar do deficit habitacional no país, o endividamento nessa modalidade está em 6,2% do PIB, mesmo após anos de crescimento acelerado --tendência que deve se manter, em razão da diminuição das taxas de juros.


Na maior parte dos países desenvolvidos e em alguns emergentes, são comuns níveis superiores a 30% do Produto Interno Bruto. Em certos casos, como nos Estados Unidos, no Reino Unido e na Austrália, a cifra supera 80% do PIB.


No Brasil, o patamar baixo se explica pelo passado de instabilidade inflacionária --ninguém sabia quão longe poderiam chegar os juros de um empréstimo com prazo de 30 anos, por exemplo-- e pela dificuldade jurídica que os bancos enfrentavam para retomar o imóvel em caso de inadimplência.


Ambos os fatores inibiam a disposição para conceder crédito e tornavam as taxas elevadas. O cenário começou a mudar na década de 1990, com a estabilização da moeda e as novas regras que deram maiores garantias aos credores.


Além disso, a burocracia para conseguir o empréstimo vem se reduzindo --o número de documentos exigidos caiu de 45 para dez--, mas o processo ainda é lento.


Em 2012, foram R$ 82,8 bilhões em novos desembolsos, uma alta de 3,6% frente ao ano anterior. Com R$ 269,6 bilhões no final do ano passado, o crédito imobiliário já superou o montante direcionado a veículos (R$ 201,3 bilhões).


Se persistirem os juros baixos e a estabilidade da economia, o país poderá contar com forte crescimento no setor habitacional nos próximos anos. Em 2013, já se espera um aumento de 15%.


O desafio será evitar bolhas de preço e afrouxamentos excessivos nos critérios de concessão de empréstimos. Mesmo que o novo cenário não leve a um crescimento acelerado do PIB, terá impactos positivos na economia. Um maior esforço de poupança das famílias não seria má notícia, num país ainda carente de investimentos.


Mais opiniões

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player