Seja bem vindo ao Celeiro do Norte, Sinop/MT, 03/06/2020
2013-01-23 de 06 de
Discurso insustentável



Este ano será de crescimento "sério, sustentável e sistemático", disse a presidente Dilma Rousseff, em viagem ao Nordeste.


Esse é o desejo de uma presidente que iniciou seu governo com a previsão de que o país cresceria em média quase 6% nos quatro anos de mandato. De uma presidente que insistia em ora prometer, ora exigir crescimento de mais de 4% no ano passado. No primeiro biênio de Dilma, o país não terá crescido mais de 2%, se tanto.


Nos estertores de 2012, em reação às notícias de que suas previsões haviam se frustrado, a presidente afirmou que 2013 seria o ano do "Pibão grandão".


As declarações não parecem nem sérias, nem sustentáveis, nem sistemáticas. Não devido ao descompasso entre intenções e desejos e os resultados mínimos.


Dificuldades imprevistas e forças além do controle, entre outros fatores, decerto podem frustrar planos de crescimento. Preocupante é o fato de o governo aparentemente desconhecer a dimensão dos problemas e o efeito de suas políticas, além de faltarem prioridades e projetos de longo prazo.


Um "Pibão grandão" é um objetivo sério, sustentável e duradouro? O empecilho maior ao crescimento é a lenta recuperação do investimento. O governo pouco contribui para remover tal obstáculo. Investe ele mesmo pouco, excede-se em despesas de consumo ou no estímulo ao consumo. Tumultua as regras do mercado e executa uma política econômica que suscita cada vez mais desconfiança.


Se não "grandão", o crescimento pode ser sustentável se o país depara com problemas básicos, como uma inflação crescente que exorbita as previsões do governo, o qual recorre a medidas extravagantes para tentar controlá-la?


Como pode ser sério o crescimento se o governo não se dedica às prioridades nacionais? Há o risco de falta de energia elétrica, mas o governo desperdiça energia em produção por falta de cabos para transmiti-la.


Ontem, a presidente também mencionou a educação em seu discurso. O que o governo tem feito para mitigar o principal problema educacional brasileiro, o fracasso exasperante do ensino elementar?


A responsabilidade pela escola básica é, de fato, dos municípios, mas, sem a liderança, colaboração e campanha federais, a escola brasileira continuará a produzir massas de analfabetos funcionais, como o faz há décadas.


Faltam educação, investimento, poupança, política econômica confiável e profissional. Requisitos do crescimento duradouro. Pode ser que o crescimento de 2013 supere o pífio resultado do primeiro biênio de Dilma. Seja lá qual for o resultado, porém, não será nem sério, nem sustentável, nem sistemático.


Mais opiniões

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player